Tão SAPATÃO que os meus cromossomos não são XX são XXT.

terça-feira

Ativa, Passiva Ou Relativa?


Folheando a revista DOM (de um amigo) do mês de agosto do ano passado que abordou, em uma matéria sobre sexo anal, um tema delicado e polêmico: a questão dos ativos e passivos na relação sexual. Aproveitando a deixa, resolvi escrever sobre isso também. Se entre os gays os papéis sexuais podem definir a existência ou duração de uma relação, será que entre nós, lésbicas, também é assim? Afinal, é tão importante definir-se ativa, passiva ou relativa?
Para começar, vamos “definir” o que seria uma lésbica ativa, uma passiva e uma relativa. A “ativa” seria aquela lésbica que assume uma postura dita mais “masculina” durante o sexo, tocando e dando prazer à parceira, e muitas vezes não se deixando ser tocada. Ou, numa linguagem mais “popular”, ativas são as que “comem”. As passivas seriam aquelas que são tocadas pela parceira, assumindo uma postura dita “feminina”, ou seja, são as que “dão”. E as relativas (ou flexíveis) são as que assumem os dois papéis, ou que na verdade não vêem diferenciação entre os dois, permitindo-se tocar e serem tocadas sem maiores problemas.
Mas por que existem estas denominações? Simplesmente porque as pessoas têm desejos e necessidades diferentes na hora do sexo, se sentindo à vontade em algum papel específico ou na não-definição. E isso pode variar até para uma mesma pessoa, em momentos diferentes da vida, nas relações e mesmo dentro de uma mesma relação. Umas vezes queremos uma coisa, outras vezes outra, e isso é natural e saudável.
É importante fazer aqui uma diferenciação entre identidade de gênero (estereotipo sexual) e papel sexual, pois muitas vezes aquelas que têm comportamentos ditos mais “masculinos” não levam este comportamento para a cama, e vice-versa. Já conheci bofinhos passivas e relativas, e feminíssimas que são estritamente ativas. Uma coisa é a forma como você se apresenta para a sociedade (a forma como você se veste, se comporta, etc), que é a identidade de gênero, outra é como se comporta sexualmente, que é o papel sexual. E deixemos claro: tudo isso é apre(e)ndido e desenvolvido socialmente, ou seja, é a sociedade que nos ensina e determina (infelizmente) quais comportamentos são masculinos e quais são femininos. Corajosas daquelas que resolvem questionar estes padrões, que nos são impostos de forma tão natural que nem percebemos e se refletem até nas nossas brincadeiras, por exemplo, quando saímos todas orgulhosas por aí falando que “comemos” fulana ou beltrana.
Isto posto, percebe-se que a escolha pelo papel ativa/passiva pode muitas vezes ocorrer por limitações psicológicas e necessidade de reconhecimento social, ou seja, está ligada a estes papéis impostos pela sociedade. Conheci mulheres que se diziam “ativas” porque nas vezes em que tentaram se “entregar” para as namoradas se sentiram muito femininas e frágeis, ou seja, o papel da feminilidade e da entrega era visto como fraqueza e fragilidade. Outras garotas não se permitem ser “ativas” porque se sentem masculinizadas ao tocar a parceira, penetrá-las com os dedos ou com acessórios, já que este seria um papel “masculino”. Caso a garota apresente um conflito com relação a estes papéis, talvez seja importante trabalhar estas questões intimamente, com ajuda terapêutica.
Em outras vezes, porém, a escolha por ser ativa ou passiva é simplesmente uma questão de gosto, identidade ou os dois, e aí não tem jeito, é preciso buscar alguém que complete o seu desejo. E podem ter certeza que sempre existe...
As relativas, nisso tudo, são as mais confortáveis, pois podem se relacionar tanto com ativas como com passivas. Mas não conheço muitas flexíveis que conseguiram relacionar-se muito tempo com mulheres estritamente ativas ou passivas. Chega uma hora em que elas sentem falta de variar a postura, e então podem começar os conflitos. Para superá-los é preciso flexibilidade, entrega e muito amor das duas partes.
Enfim, entre lésbicas os papéis ativo/passivo/relativo existem sim e podem determinar rumos de relacionamentos. Quando a escolha por um destes papéis é tranqüila, muito bem, mas quando ela mascara outras questões de ordem íntima e social, é importante repensá-la. Porque o que vale, em qualquer tipo de relação, é a felicidade, verdade e espontaneidade, e privar-se do prazer por conta do que a sociedade nos impõe não tem sentido – nós lésbicas já sabemos disso, não?

E para aquelas que ficaram curiosas, respondo: sou ativa.

8 comentários:

  1. Gameiii..realmente é assim mesmo eu tenho uma amiga que é flex.só q a menina que ela gosta é ativa, e tem dia que minha amiga fica muito bofinho e elas acabam brigando, por isso elas não deu certo...Eu sou passiva totalmente!

    ResponderExcluir
  2. ADOREI SENASACIONAL NEM TODO MUNDO SABE DESSAS COISAS É MUITO BOM TA DE PARABENS

    ResponderExcluir
  3. Pra falar a verdade, eu só não gosto muito é de ficar trocando de namorada, sou chegada na relação estável, me faz bem. Mesmo porque encontrei a pessoa certa. Mas quando o assunto é cama, fico maluca, gosto de variar, sei lá, acho que é amor,paixão...Amar é bom demais.

    ResponderExcluir
  4. Para mim relacionamento pressupoes troca entao acho que o bom de estar com alguem que se gosta se vc deseja se doar por inteiro é tocar e ser tocada. Ainda bem q a maioria das lesbicas ejam lady ou bofinha sao relativas.

    ResponderExcluir
  5. Adorei a postagem..mais uma vez, surpreendente!

    ResponderExcluir
  6. aaaah, eu ameeei o post, e o melhor de tudo é que tira bastante as duvidas de quem não entende muito, amo o blog aqui, entro todo dia, haha... Mais eu sou relativa, adoro dar prazer e sentir prazer tbm.. :D

    ResponderExcluir
  7. Realmente é verdade,eu por exemplo sou feminina porem gosto muito de tocar do que ser tocada ja fui muito passiva também e confesso que também gosto,porem hj com minha namorada por ela ser 4 anos mais jovem e ter pouca experiencia estou sendo mais ativa...se bemm q na hora h,o que vale é dar receber toda forma de amar é válida

    ResponderExcluir
  8. Ameiii sou relativa..!!

    ResponderExcluir

Seu Comentário é SEMPRE Bem Vindo!
Comente, opine, se expresse. Esse espaço é SEU!

Se gostou do blog siga & Volte Sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...